12. A CAVALARIA NA SUÉCIA

Durante o século XVII, a maior parte dos exércitos europeus se utilizaram dos avanços científicos e sua aplicação na guerra. Como consequência lógica, apareceram nessa época inúmeras inovações táticas e houve uma significativa elevação do adestramento.

Este século produziu uma das figuras militares mais importantes do mundo, o rei Gustavo Adolfo da Suécia, um dos “Grandes Capitães” da história. Apoiado na pujança e vigor de seu reino, particularmente na produção industrial e agrícola e na exportação de armamentos, Gustavo Adolfo modernizou seu exército, principalmente a sua Cavalaria.

Reorganizou a Cavalaria, substituindo sua forma de combater, a base de ataques de cavaleiros armados com pistolas em carga a galope, empregando o sabre como arma principal e a pistola como secundária ao chegar às fileiras inimigas.

Novamente se voltou a fazer o emprego adequado da potência de choque e da velocidade, com isto, cumprindo dupla função tática: limpar o terreno para o avanço da infantaria e o choque decisivo no combate.

A Cavalaria de Gustavo Adolfo estava composta por Couraceiros armados com pistola e sabre e de Dragões, que eram mosqueteiros montados.

Uma das principais batalhas, onde a cavalaria foi decisiva, foi a de Breintenfield, na qual o próprio Gustavo Adolfo, no comando de 4 regimentos de cavalaria, dirigiu uma grande carga sobre a artilharia imperial alemã; uma vez capturada esta, manobrou e caiu sobre o flanco oeste do grosso do exército imperial, de Johann, conde de Telly. Apesar das forças alemãs haverem combatido bravamente, foram finalmente derrotadas e perseguidas pela cavalaria sueca.

Podemos dizer que Gustavo Adolfo foi o fundador da moderna escola tática, baseada na manobra. Seus triunfos se deveram principalmente ao grande treinamento que tinham suas tropas para carregar com velocidade e intrepidez.

Tão logo a primeira linha se chocava com o inimigo, disparavam suas pistolas e, em seguida, sabre em punho, rompiam a resistência inimiga. A segunda e terceira linhas reservavam seu fogo para quando as linhas inimigas fossem rompidas.

A introdução do choque violento na tática da cavalaria foi um grande progresso. Gustavo Adolfo, ao combinar o peso e a velocidade do cavalo com o armamento e a aplicação de massa de ruptura, colocou a cavalaria em seu verdadeiro papel. Desde os tempos de Alexandre e Aníbal a cavalaria não tinha voltado ao seu verdadeiro papel no campo de batalha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *